29 de dez de 2014

2014 em 14 músicas imperdíveis!



Virou uma tradição de fim de ano, selecionar melhores Filmes, HQs, Discos e por ai vai, é tempo de balanço, de preparação para um novo ano, eu particularmente espero 2015 tão intenso para Rock e Metal como 2014, mesmo achando difícil devido a safra espetacular, mas isso só o tempo dirá. 

Enquanto isso selecionei 14 músicas para lembrar muito bem do ano que está indo embora.

Vale lembrar que essa lista independe do meu Top 10 de discos de 2014

Divirtam-se e até 2015!


#14 - Adrenaline Mob - Come On Get Up



#13- Killer Be Killed - Wings Of Feather and Wax




#12-  Blues Pills - Black Smoke




#11 - Black Stone Cherry - Magic Mountain



#10 - Kyng - Burn The Serum




#09- Sanctuary - Frozen




#08 - Unisonic - Exceptional 


# 07 - Noturnall - St Trigger 



#6 - Rival Sons - Electric Man




#5 - California Breed - All Falls Down




# 4 - Korzus - Bleeding Pride



#3 - Mastodon - The Motherload




#2 - Slipknot - The One That Kills The Least




#1 - Machine Head - Game Over


26 de dez de 2014

Hangar - The Best Of 15 Years Based On a True Story





Nota: 8,00

Dificilmente faço resenhas de coletâneas por motivos óbvios, trata-se de produtos geralmente encomendados por gravadoras para cumprir contratos ou para recolocar algum artista no mercado após grandes hiatos e reuniões, porém no caso dos gaúchos do Hangar existem motivos de sobra para falar sobre esse grande registro.

O Hangar ficou mais conhecido quando o exímio baterista Aquiles Priester entrou para as fileiras do Angra em 2001, os holofotes se voltaram para a banda ao passo que todos queriam ouvir as credenciais do então novo membro, e na ocasião o que se ouvia era um Power Metal intrincado, com algumas incursões progressivas.

Com Aquiles ainda no Angra, o Hangar  lançou o emblemático The Reason Of Your Conviction (2007) remodelando a sonoridade que enveredou para linhas bem pesadas e intrincadas dando passos mais avançados no Prog Metal. Em 2009 O Hangar soltou Infalible, o disco mais diversificado da carreira, o último registro de inéditas até o momento. 

Após a entrada do vocalista Pedro Campos e a volta do guitarrista Cristiano Wortmann, agora como um sexteto, o Hangar lança esse best of com 4 músicas inéditas e 2 regravações com a nova formação, além de 24 músicas dos demais lançamentos da carreira.

Preparando terreno para o quinto registro de inéditas, a nova e pesadíssima Let me Know Who I Am caminha por terrenos sombrios,com os riffs carregados de Eduardo Martinez e Cristiano Wortmann, Aquiles abusa dos andamentos quebrados e levadas cavalares dos bumbos.

The Dark Passenger é cadenciada e intrincada, a voz de Pedro Campos soa muito bem com drives poderosos e um timbre agradável, o baixo  de Nando Mello colabora bastante com o groove maciço ouvido por aqui, Denied explora a velocidade do Power Metal contrastando com passagens dissonantes, o duelo das guitarras com o teclado de Fabio Laguna saltam aos ouvidos.

Fechando as inéditas, Betrayer reconecta o Hangar com a música rápida e grudenta, apesar de ser a mais fraca das novas composições, desfila com categoria em sua proposta, a execução é impecável, mas gosto mais quando eles desafiam o ouvinte com músicas mais ousadas. No terreno das novidades ainda temos as  boas regravações de To Tame a Land e Forgotten Pictures  com a nova formação, acertaram em escolher duas músicas de fases e estilos distintos.

Dentre a seleção, conseguiram escolher realmente grandes momentos, como a excelente The Infalible Emperor (1956), a emocionante Give Me One More Chance versão acústica, a demolidora Hastiness com os imponentes vocais de Nando Fernandes e ainda Inside Your Soul, que basicamente mostrou ao mundo como o então jovem  Aquiles Priester já dominava as baquetas e os pedais de seu instrumento.

The Best Of 15 Years Based On a True Story  é uma excelente oportunidade para conhecer melhor uma das mais talentosas bandas do cenário brasileiro, profissionalismo e ousadia é a marca registrada do Hangar.

Vale a pena conferir!


Let me Know Who I Am




The Best Of 15 Years Based On a True Story (2014)

Disco 1


  1. Let me Know Who I Am (inédita)
  2. The Dark Passenger (inédita)
  3. Denied (inédita)
  4. Betrayer (inédita)
  5. To Tame a Land (Regravação)
  6. Forgotten Pictures (Regravação)
  7. The Infalible Emperor (1956)
  8. Captivity ( A House With Thousands Rooms)
  9. A Miracle In My Life
  10. Forgive The Pain
  11. Some Light To Find My Way
  12. Hastiness
  13. When Darkness Takes You
  14. Just The Beginning 
  15. The Reason Of Your Conviction

Disco 2

  1. Dreaming Of Black Waves
  2. Based On A True Story (Acústica)
  3. Call Me In The Name Of Death
  4. Solitary Mind (Acústica)
  5. Time To Forget
  6. One More Chance (Acústica)
  7. Haunted By Your Ghosts
  8. Your Skin And Bones (Acústica)
  9. Savior
  10. Colorblind
  11. Legion Of Fate
  12. Angel Of Stereo (Acústica)
  13. Falling In Disgrace
  14. Like Wind In The Sky
  15. Inside Your Soul

A Banda (Atual, que gravou inéditas e regravações)

Pedro Campos (Vocal)
Aquiles Priester (Bateria)
Nando Mello (Baixo) 
Crisitiano Wortmann (Guitarra)
Eduardo Martinez (Guitarra)
Fabio Laguna (Teclados)




23 de dez de 2014

Discografia Comentada: Nevermore (1994-2011) - Parte 2







Chegamos ao ano de 1998 e muitas coisas estavam acontecendo no front do Nevermore, Pat O'Brien pediu dispensa e foi recrutado para integrar o Cannibal Corpse, e a preparação para o próximo disco contou com a presença de Tim Calvert (ex-Forbidden), mais uma vez como um quinteto a turma de Seattle entrou em estúdio com Neil Kernon e deu inicio ao terceiro full leght da carreira.



Dreaming Neon Black (1999)



Capa Original


Crescendo na cena underground o Nevermore já gerava expectativas a cada lançamento e os 3 anos que separaram Polictics Of Ecstasy de Dreaming Neon Black contribuíram para o amadurecimento da banda, desde a sonoridade até o conteúdo lírico do disco que é conceitual.

Com características mais  soturnas e melancólicas o novo capitulo da história do Nevermore é menos progressivo e mais emocional, apesar que não encontramos estruturas simples, pelo contrário, é um dos discos mais difíceis de se assimilar da carreira deles.

A história contada é perturbadora, narra os tormentos de um homem rumo a loucura desde que sua amada desaparece após se envolver com uma seita, a partir daí ele culpa a tudo e a todos, inclusive a si mesmo, o que parece ficção aconteceu na vida do vocalista Warrel Dane (que dizia que sonhava com sua ex-namorada aparecendo afogada, que veio a ser inspiração para a capa do disco)

O tema pesado se reflete nas músicas,da fúria descontrolada de Beyond Within até momentos melancólicos e emocionais como a espetacular Dreaming Neon Black o disco é muito bem construído e o conceito se mistura com a parte musical de tal forma que é difícil destacar as músicas de forma separada.

Warel Dane soa muito com com interpretações exemplares, a dupla de guitarras com Jeff Loomis e Tim Calvert constrói arranjos excelentes e solos complexos, a cozinha formada por Jim Sheppard (Baixo) e Van Williams (Bateria) se destacam pela variação de ritmos e intensidade como na perturbadora Deconstrucition, que possuí um solo acústico de Loomis e um elétrico de Calvert que impressionam os ouvintes.
Capa Alternativa

Em linhas gerais, Dreaming Neon Black é um grande passo evolutivo para o Nevermore, que passaria a integrar o time das promessas para a próxima década dentro do Heavy Metal. 

Vale ressaltar que quando foi lançado no  Brasil pela Rock Brigade Records* era rotulado como um disco de Power Metal (!?) talvez pela forma híbrida e original com a qual o Nevermore escrevia suas canções. 

*A versão brasileira do disco saiu com a capa alternativa e com uma faixa bonus In Memory, que só saiu na contra capa do disco porque não tem a música gravada (pelo menos na minha versão)




Dreaming Neon Black







Track List


  1. Ophidian
  2. Beyond Within
  3. The Death Of Passion
  4. I Am The Dog
  5. Dreaming Neon Black
  6. Deconstruction
  7. The Fault Of The Flash
  8. The Lotus Eaters
  9. Poison Godmachine
  10. All Play Dead
  11. Cenotaph
  12. No More Will
  13. Forever
  14. Optmist Or Pesmist

A Banda

Warrel Dane (Vocais)
Jeff Loomis (Guitarra)
Jim Sheppard (Baixo)
Tim Calvert (Guitarra)
Van Williams (Bateria)



Dead Heart In A Dead World (2000)




Após a bem sucedida tour, o Nevermore começou a despontar no cenário mundial como um grande nome da nova safra do Heavy Metal, e quando se juntaram a Andy Sneap para gravar o sucessor de Dreaming Neon Black acabaram lançando um dos discos referências da nova década que estava se iniciando.

A sonoridade mais direta, maior experimentos com timbres e uma produção arrojada catapultaram o nome da banda.  Para não me alongar muito e muito menos repetir informações, fiz o Test Time Review desse disco, confiram aqui!


Enemies Of Reality (2003) e o começo das tensões internas


Capa Original



O bom momento da banda trouxe maior visualização e exposição, gerando espectativas para o sucessor de Dead Heart In a Dead World, Enemies Of Reality começou a ser idealizado em 2002 e pretendia manter o Nevermore com uma sonoridade mais direta.

Os problemas internos já apareciam e dizem as más línguas que o álcool foi um dos vilões para a harmonia da banda, somado a agenda lotada do produtor Andy Sneap gerou contratempos forçando o Nevermore a recorrer a outro profissional para assumir a coordenação e mixagem do novo trabalho.

Kelly Gray (ex- Queensrÿche) assumiu o posto, com músicas mais diretas, pesadas e raivosas (invariavelmente menos inspiradas) Enemies Of Reality nunca saiu da sombra dos 3 discos anteriores.

A qualidade do trabalho de Gray é bem questionável, tudo soa embolado e estourado prejudicando a audição, ao mesmo tempo que dá um tom cult ao disco, mas musicalmente temos um punhado de boas músicas, mas nada espetacular.

Os melhores momentos do disco estão nas porradas diretas como Enemies Of Reality  e  Create The Infinite, além das intrincadas Tomorrow Turned Into Yesterday I, Voyager e a dinâmica e espetacular Who Decides.


Capa da edição remixada
Mesmo não sendo tão forte quanto os registros anteriores a popularidade foi mantida, mas uma ponta de insatisfação com o disco era evidente, tanto que este foi relançado totalmente remixado e remasterizado em 2005, desta vez com Andy Sneap supervisionando o trabalho.

A decisão arranhou a imagem da banda que soltara um trabalho amador e tentava arrumar o erro relançando o mesmo produto anos depois, no fim das contas não dá para saber o que foi pior, soltar um disco com a qualidade sonora prejudicada ou remendar o erro com um relançamento quase que imediato. 

O deslize seria recompensado no próximo lançamento.





Enemies Of Reality






Enemies Of Reality Remaster







Track List


  1. Enemies Of Reality
  2. Ambivalent
  3. Never Purify
  4. Tomorrow Turned Into Yesterday
  5. I, Voyager 
  6. Create The Infinite
  7. Who Decides
  8. Noumenon
  9. Seed Awakening


A Banda

Warrel Dane (Vocais)
Jeff Loomis (Guitarra)
Jim Sheppard (Baixo)
Van Williams (Bateria)

Despontando como um nome forte e com uma discografia de respeito, o Nevermore ainda teria mais grandes momentos antes do colapso que levaria ao hiato atual, mas isso fica para a terceira e última parte da discografia comentada dos caras.

Até lá continuem dissecando os discos dessa grande banda.



22 de dez de 2014

Resultados TUF Finale, UFC On Fox 13 e UFN 58


Para o bem e para o mal 2014 foi um ano repleto de fatos novos para a Zuffa, empresa que controla o UFC, lesões e  mudanças de cards, novos campeões surgindo, ex lutadores processando o evento e novas diretrizes para patrocínio em meados de 2015 agitaram o noticiário do maior evento de MMA do planeta.

Independente de noticias de bastidores, o ano foi agitado, recorde de edições realizadas e a expansão global se amplificou, agora Estados Unidos, Canadá, Brasil e Reino Unido tem a companhia mais frequente de países como Alemanha, Suécia, Austrália e Japão que já estavam no calendário mas ampliaram a participação, ainda tivemos a província de Macau na China e México. 

Com tantas lutas a cobertura dos eventos vem ficando mais complicadas, mas me esforço para divulgar meus palpites em um maior número de eventos.

Nos últimos eventos do ano tivemos a primeira campeão peso palha feminino, Carla Esparza, vencendo a edição do TUF exclusiva para mulheres. 






NO UFC On Fox 13, Júnior "Cigano" Dos Santos bateu o duríssimo Stipe Miocic em um combate apertado, cinco rounds tensos no qual ambos poderiam cair.


Troca franca de golpes...



Combate duro

Já no Ultimate Fight Night 58 Lyoto Machida despachou CB Dollaway com um chute na costela que levou o americano ao nocaute técnico com 56 segundos de luta e deixa Machida bem próximo de uma segunda luta pelo cinturão dos pesos médios.


Chute derradeiro 




Resultado dos palpites 11 Acertos (Penne, Esparza, Mittrione, Overeem, Rafael Dos Anjos, Cigano, Sarafian, Erick Silva, Magomedov, Renan Barão e Lyoto Machida) e 3 Erros( Charles Oliveira, Yancy Medeiros e Patrick Cummins) 

Placar Geral  Final de 2014: 116 acertos 56 Erros = 67,45% de Acerto


Vale lembrar que o UFC volta dia 3 de Janeiro com o UFC 182: Jones x Cormier 

Até lá!


19 de dez de 2014

Palpites UFC FIGHT NIGHT 58 - Machida x Dollaway





O último evento do UFC no ano acabou ficando no Brasil e ocorre em Barueri, São Paulo. Devido a diversas lesões e mudanças de card ao longo do segundo semestre, para honrar esse fechamento Lyoto Machida e CB Dollaway lutam para escalar a divisão dos médios, Machida fez um grande combate com Chris Weidman e quase nocauteou o campeão, Dollaway vem superando adversários teoricamente favoritos e já aparece no top 10 da divisão.

Grande combate dentro de um bom card que tema  volta de Renan Barão, que busca reerguer sua carreira.

Vamos aos Palpites do Card Principal



Daniel Sarafian (8-5) vs. Antonio dos Santos (6-1) Palpite => Sarafian vence.


Erick Silva (16-5, 1 NC) vs. Mike Rhodes (6-3) Palpite => Erick Silva vence.

Elias Silverio (11-0) vs. Rashid Magomedov (18-1) Palpite => Magomedov vence

Antonio Carlos Junior "cara de sapato" (4-0) vs. Patrick Cummins (6-1) Palpite => Antonio vence.

Renan Barao (32-2, 1 NC) vs. Mitch Gagnon (12-2) Palpite => Barão vence.

Lyoto Machida (21-5) vs. CB Dollaway (15-5) Palpite => Machida vence.

12 de dez de 2014

Palpites : TUF Finale Esparza x Namajunas e UFC On Fox 13 e Dos Santos x Miocic


Semana agitada no UFC, dois eventos agitam o calendário do MMA na Sexta , teremos a final do TUF Peso Palha feminino que dará o cinturão para a campeã, e o no Sábado Junior "Cigano" Dos Santos enfrenta Stipe Miocic, luta que vale muito para ambos poderem disputar o cinturão da categoria, o vencedor vai encabeçar a fila do ranking dos pesos pesados.

Como sempre, vamos aos palpites dos cards principais dos eventos, vale ressaltar que os cards são bem difíceis de opinar!








TUF Finale


Jessica Penne (11-3) vs. Randa Markos (4-2) => Palpite: Penne vence.

Joe Proctor (10-2) vs. Yancy Medeiros (10-2, 1 NC)=> Palpite: Proctor vence.

K.J. Noons (13-7) vs. Daron Cruickshank (16-5)=> Palpite:  K.J Noons vence

Jeremy Stephens (23-10) vs. Charles Oliveira (18-4, 1 NC)=> Palpite: Stephens vence

Carla Esparza (10-2) vs. Rose Namajunas (3-1)*=> Palpite: Carla Esparza vence







UFC ON FOX 13



Matt Mitrione (8-3) vs. Gabriel Gonzaga (16-8)=>; Palpite: Mitrione vence
Alistair Overeem (37-14, 1 NC) vs. Stefan Struve (25-6)=> Palpite: Overeem
Rafael Dos Anjos (22-7) vs. Nate Diaz (18-9)=>; Palpite: Rafael Dos Anjos vence.
Junior dos Santos (16-3) vs. Stipe Miocic (12-1)=> Palpite: Cigano vence.



10 de dez de 2014

Os melhores álbuns de Hard Rock/ Metal de 2014



Faz uns bons anos que os amantes de Hard Rock e Heavy Metal vem sendo brindados com grandes safras de lançamentos, e neste ano não foi diferente, 2014 nos presenteou com uma grande quantidade de discos muito bons, diversas gerações mostraram serviço e em diversas partes do globo.

Vale ressaltar que selecionar 10 álbuns foi uma tarefa complicada e posicioná-los também não foi fácil, um grande ano com muitos lançamentos digno de aplausos.

Que assim seja 2015!

Os links com os reviews dos discos do top 10 estão disponíveis na classificação dos álbuns



#10 -  Savage Messiah - The Fateful Dark

Abrindo o top 10 dos melhores do ano vem os ingleses do Savage Messiah em seu terceiro disco. O som não traz grandes novidades, mas a forma que as músicas foram compostas e arranjadas é digna de aplausos, tudo é bem feito e direto, um Thrash Metal com toques de Power Metal que acertou o alvo. Mandaram muito bem! Destaques: Iconocaust, Hellblazer, The Fateful Dark e Zero Hour.





#9 - Unisonic - Light Of The Dawn

É muito bom ouvir Michael Kiske e Kai Hansen juntos novamente, mas quem é o mentor, principal compositor e produtor do Unisonic é Dennis Ward, que também pilota o baixo, Light Of The Dawn é mais consistente que o debut e consegue trazer uma gama de influências diversificadas ao Power Metal do quinteto. Destaques: Exceptional, Night Of The Long Knives, Find Shelter e Blood





#8 - Rival Sons - The Great Weastern Valkyries 

Mais um nome da nova geração, o Rival Sons faz um Hard Rock calcado nos anos 70 e pitadas do rock 60's, mesmo não sendo tão arrasador quanto o clássico Head Down (2012), The Great Western Valkyries é um grande trabalho, músicas contagiantes e um excelente trabalho em conjunto, música para qualquer hora. Destaques: Electric Man, Play The Fool, Good Things e Destination On Course.





#7 - Accept - Blind Rage

Os alemães do Accept marcam presença com um disco empolgante, Blind Rage soa vigoroso como uma banda em seu auge, excelentes composições, execução de primeira e muita energia. A velha guarda do Heavy Metal Tradicional foi muito bem representada. Destaques : Stampede, Fall Of The Empire, 200 Years e The Curse





#6 - Korzus - Legion

O Korzus representou muito bem o Heavy Metal brasileiro e lançou um dos melhores álbum de Thrash Metal dos últimos anos, uma pancada sonora vigorosa e muito bem produzida, profissionalismo e talento aliados em prol da boa música. Destaques: Vampiro, Broken, Bleeding Pride e Legion.





#5 - California Breed - California Breed

O encontro de gerações é um dos ingredientes que apimentam a mistura do California Breed, quando o veteraníssimo Glen Hughes se juntou ao já experiente Jason Bonham (que saiu da banda, infelizmente) e ao novato Andrew Watt as coisas fluíram muito bem, um power trio que faz um hard rock vigoroso com boas doses de guitarras e distorções nervosas. Obrigatório. Destaques: The Way, Midnight Oil, All Falls Down e Strong





#4 - Noturnall - Noturnall

Sem dúvidas uma surpresa muito boa do cenário brasileiro, o Noturnall surgiu da junção dos ex-integrantes do Shaman com o virtuoso baterista Aquiles Priester (ex-Angra e Hangar/Primal Fear). O debut tinha tudo para ser um disco de Power Metal sem sal, até que ao colocar o play para tocar vem um baque, som pesado, progressivo, moderno recheado de influências diversas. Um disco excelente. Destaques: Nocturnal Human Side, St Trigger, Hate!!! e  Fake Healers 





#3 - Mastodon - One More 'Round The Sun

A maior prova de que o Heavy Metal se renova constantemente é a forma que o Mastodon vem crescendo no cenário mundial, a boa fase do quarteto se extende nesse petardo, sonoridade ampla e diversificada, menos complexa que nos registros anteriores, o fato de soar mais direto foi um atrativo a mais. Confira sem medo. Destaques: Tread Lightly, The Motherload, Chimes At Midgnight e Asleep In The Deep. 




#2 - Slipknot - .5 The Grey Chapter

O Slipknot entrou em um hiato ao término da tour do disco All Hope Is Gone (2008), após a morte do baixista fundador Paul Gray e a saída do bater Joey Jordison todos davam  banda como acabada, eis que eles juntaram forças a novos membros e lançaram um álbum avassalador. O quinto disco do Slipknot é a demonstração que Heavy Metal não tem barreiras e não precisa ser ortodoxo para ser bom, nesse caso excelente. Destaques: AOV, The Devil In I, Killpop e  The One That Kills The Least 





#1 - Machine Head - Bloodstone & Diamonds

A briga pela primeira posição foi intensa durante o ano, mas desde as primeiras músicas divulgadas a turma de Robb Flynn me cativou, vindo de uma sequencia de albuns sensacionais eles não brincaram em serviço. O grau de maturidade e ambição do Machine Head transformou Bloodstone & Diamonds em um clássico instantâneo. Compre. Destaques: Now We Die, Killers & Kings, Incomes The Flood e Game Over. 


Quase entraram

Kyng - Burn The Serum 

Um nome da nova geração que promete alçar voos mais altos, o Kyng é um power trio que pratica um Hard/Heavy com influências de Black Sabbath e Soundgarden. Um grande trabalho.

Sanctuary - The Year The Sun Died

O retorno do Sanctuary veio em boa hora, uma vez que o Nevermore encontra-se em estado de coma profundo. Mesmo bem diferente dos dois discos anteriores, The Year The Sun Died consegue remeter ao passado mas com um pé no futuro.

Adrenaline Mob - Men Of Honor

Mesmo com a saída de Mike Portnoy, Russell Allen e Mike Orlando tocaram o barco adiante e lançaram um grande disco, dinâmico e cativante, mais um disco que poderia estar facilmente no top 10.

Black Stone Cherry - Magic Mountain

Da safra de novas bandas de Southern Rock, o BSC vem em uma grande fase, música cativante e feita com alma, simplicidade a favor da boa música.
Decepção

Judas Priest - Redeemer Of Souls

Sempre espero grandes trabalhos de lendas como o Judas Priest, mas também entendo quando as coisas não saem exatamente como esperávamos, Redeemer Of Souls não é uma tremenda porcaria mas com uma produção bem ruim e músicas pouco inspiradas conseguiu derrubar muitas expectativas.

Pior Resultado

AC/DC - Rock Or Bust

Eis aqui a definição de "abacaxi do ano" o AC/DC sempre primou por uma produção de primeira, timbres fortes e energia lá em cima, mesmo em discos menos inspirados no passado a coisa funcionava com dignidade. Rock Or Bust é inofensivo, raquítico e totalmente maquiado com pro tools. Esqueça esse disco.


Concorda? Discorda? Fiquem a vontade e postem suas listas!

9 de dez de 2014

UFC 181- Lawler e Pettis coroados!

O último sábado foi especial para os fãs de MMA, uma grande noite com duas disputas de cinturões agitaram a noite de lutas em Las Vegas que acabou com polêmica na luta principal.



Anthony Pettis foi implacável





Anthony Pettis e Gilbert Melendez prometia um duelo de estratégias, Pettis iria buscar uma luta mais dinâmica e Melendez encurtaria para derrubar e controlar o campeão, e mesmo com a estratégia acertada no primeiro round Melendez cometeu um grande erro, ao invés de golpear Pettis e depois entrar na queda, ele buscava derrubar o campeão fintando com golpes sem qualquer pretensão de causar dano.

O campeão mesmo acuado acertava Melendez com mais precisão e mesmo perdendo o primeiro round sabia que bastava bons golpes para liquidar o desafiante, no segundo round a luta caminhou exatamente para onde Pettis queria, frustando as investidas de Gilbert e acertando golpes duros, até que em uma troca franca, Melendez tonteou e Pettis encaixou uma linda guilhotina, raspando e caindo na montada com o golpe definidor, Anthony Pettis finalizou Melendez.

Robbie Lawler se consagra em luta polêmica






Em Março deste ano, Lawler e Hendricks travaram uma guerra, Lawler quase nocauteou, mas acabou derrotado em decisão polêmica, e mais uma vez o episódio se repetiu mas a favor de Lawler, que venceu Hendricks na decisão dividida mas com algumas ressalvas, vale avaliar round a round

Round 1 : Lawler começa a luta como um trem desgovernado e quase nocauteia Hendricks, que conseguiu administrar a pressão e no fim do round arrancou uma queda e segurou o ímpeto do desafiante, mas insuficiente para vencer. 10 x 9 Lawler

Round 2: Hendricks vem mais ligado na luta e começa aos poucos a encaixar combinações de socos e chutes baixos, Lawler aparentemente passivo e cansado aceita Hendricks pressiona-lo na grade. 10x9 Hendricks

Round 3: A mesma tônica do round anterior, Hendricks pressiona, Lawler passivo, sem soltar golpes. 10x9 Hendricks

Round 4: A luta caminhava para a monotonia, até Lawler defender mais uma investida de Hendricks na queda, ele defendeu e no fim do round aplicou golpes na cabeça do campeão que acusou o ataque e mantinha a pressão na grade, mesmo sendo duramente castigado.

Round que mudou a luta, 10x9 Lawler ou 10x10 

Round 5: Hendricks seguia pressionando, até que no fim do round Lawler aplica uma sequencia avassaladora com Hendricks grampeado em suas pernas, ao se livrar , Lawler segue golpeando e acuando o campeão. Lawler venceu a luta nesse round.

10x9 Lawler

Resultado Lawler levou na decisão dividida, 2 rounds a 1 

Resultado dos palpites UFC 181: 3 Acertos (Todd Duffee, Travis Browne, Anthony Pettis ) 2 Erro ( Tony Ferguson, Robbie Lawler)

Placar Geral 105 acertos 53 Erros = 66,45% de Acerto