31 de mar de 2008

Reflexões Cotidianas Parte 2 :)

É, mais um final de segunda feira, mais uma semana começando como as outras, impressionante como as vezes me sinto dentro de um loop infinito, onde todas as semanas são exatamente iguais!

Soluções em mente:

1) ALimentar o Tyler Durden dentro de mim, e iniciar uma revolução (preciso assitir + Clube da Luta)

2) Ganhar na Mega Sena através de uma mega fraude!

3) Ter acesso a informações privilegiadas das maiores empresas!

4) Ganhar um Cartão corporativo!

Caso não aconteça nada disso, voltaremos a mais uma Segunda-Terça-Quarta-Quinta-Sexta Feira como toooodas as outras, dentro dos nossos 252 dias úteis no ano!

PFF!

30 de mar de 2008

Angel Down


Um review que eu estava devendo:

Sebastian Bach

Album: Angel Down

Ano: 2007

Banda:

Sebastian Bach (V)
Metal Mike (G)
Bobby Jarzombek (D)
Steve DiGirogio (B)
Johnny Chormatic (G)

Participações especias
Axl Rose (V)
Roy Z (G)


Sebastian Bach iniciou sua carreira no fim dos anos 80, ao lado do Skid Row, banda na qual fez muita fama, dinheiro, e ganhou um certo prestígio na cena rockeira em geral. Sua voz poderosa, presença de palco e carisma, o fizeram mundialmente conhecido, assim como seu ego, e problemas com os demais membros do Skid Row,culminando em sua saída no final de 1996.

Nestes anos após sua saída do Skid Row, Bach não ficou parado, participando de espatáculos na Brodway,participações em séries de TV, gravou também um album ao vivo e com músicas de estúdio inéditas, além de um trabalho progressivo no projeto Frameshift.

Entretanto nesse meio tempo foi montando sua banda, e gravando Angel Down.

Em 2007 a espera acabou, após 5 anos desde seu primeiro registro solo, Bach retorna em grande forma, com uma banda de primeira linha, amparado pelo experiente produtor Roy Z, que escreveu algumas músicas junto ao vocalista.

Logo de cara vem a quase Thrash, Angel Down, lembrando o saudoso Pantera, na sequência a acelerada You Don´t Understand, com guitarras dobradas, e um refrão excelente, belos solos de Metal Mike, lembrando seu trabalho na banda Halford.

A seguir temos as participações de Axl Rose, no cover Back in The Saddle do Aerosimith, numa roupagem atual e bem vigorosa. A segunda faixa com participação do Gunner é Love (is a Bitchslap), totalmente Hard Rock, composta por Roy Z, lembra bastante o trabalho de guitarras de Apettite for Destruction do Guns n Roses, belo dueto entre as vozes de Bach e Rose. Para fechar, Stuck Inside, andamento lento e mais pesada, e com vocalizações bem poderosas por parte de ambos, além dos gritos caracteristicos de Axl Rose.

O álbum segue com destaques como American Metalhead,puro Heavy Metal, hino da banda de Bach, belo trabalho destes fantásticos instrumentistas. As baladas não poderiam faltar, e By your Side, relembra os tempos do Skid Row e Falling Into You caminha para um lado mais introspectivo, ambas representam bem o lado baladeiro de Bach, com seus excelentes vocais e melodias fáceis, sem soar demasiadamente brega.

Em Angel Down, a variedade impera, porém com consistência e coesão, o peso de Negative Light e o Hard Rock the Our Love is a Lie contrastam de maneira brilhante, tudo muito bem conduzido pelos vocais impecáveis, e uma banda madura, e muito competente, o melhor trabalho de Sebastian Bach desde Slave to The Grind.

Neste álbum o caminho para uma carreira solo de sucesso está aberto, e um fato interessante contribui para o excelente resultado final, os membros da banda participaram ativamente das composições.

Ótimo recomeço, que venha mais álbuns, de preferência com a mesma banda.

29 de mar de 2008

Em Homenagem ao hard rock anos 80

Banda: Badlands
Album: Badlands
Ano: 1989

Nota 10

Ray Gillen (Vocal)
Jake E Lee (Guitarra)
Craig Chaisson (Baixo)
Eric Singer (Bateria)


O mundo do rock consagra astros, elege líderes, cria mitos e...comete MUITAS injustiças, Músicos Famosos, Músicas Excelentes uma combinação de sucesso certo? Nem sempre... O Badlands foi formado em 1989 por Ray Gillen (V); Jake E Lee (G); Craig Chaisson (B) e Eric Singer (D).
Todos músicos já eram relativamente experientes, tendo passagens por bandas como Black Sabbath, Ozzy, Steeler (ex banda de Malmsteen), Lita Ford e entre outros. Ao se juntaram, deram ínicio a uma banda excelente, que praticava um Hard Rock empolgante e fabuloso, numa mistura de Whitesnake e Led Zepellin com muita personalidade.

High Wire abre o álbum com um riff forte e harmônico, com ele entra a voz cristalina e poderosa de Ray Gillen, que não deixa dúvidas sobre seu talento e autenticidade, o mid tempo da bateria e o baixo muito bem trabalhado encantam com um groove digno dos melhores momentos já vistos no Hard Rock oitentista. A bateria de Eric Singer lembra bastante Joh Boham nesse som, com uso das conduções e ataque o tempo todo.

Sem parar entra Dreams in The Dark, o hit do álbum que figurou na MTV e nos charts por alguns meses, nada de farofa, muito pelo contrário, um tema rock, com um belo arranjo digno dos melhores momentos de Jake E Lee no Ozzy, e uma linha de baixo muito dinâmica, o ótimo refrào é guiado por Gillen com muita competência e Carisma.

A terceira música, jade's song, um belo tema acústico estrutrada no folk, serve de introdução para outro Hit, Winters's Call, a fusão entre os power chords e acordes dissonantes e violões de Jake E Lee, vocal inspiradíssimo de Gillen, , a estrutura ritmica intrincada, com ótimo trabalho da cozinha, aliás uma das mais criativas em anos, constroem uma das melhores músicas do álbum. Vale ressaltar o melhor solo de Lee desde Bark At the Moon!

Entrando no limite!!! Living On the Edge chega com os dois pés, Hard Rock, num tempo mais acelerado, mostrando o lado bom da simplicidade, com Vocal, bateria, Baixo e Guitarras fazendo um belo som!! Rápida e eficiente.

Um dos melhores momentos do Badlands, Streets Cry Freedom, um som épico e imponente, o começo calmo, com A voz de Gillen e a Guitarra de Lee preparando o terreno para o melhor refrão do álbum, com uma métrica impecável! A música vai crescendo e culmina numa parte bem Black Sabbath,com um andamento mais acelerado, Basicamente um encontro entre Sabbath, Led e Whitesnake. Ao meu ver a melhor música do álbum.


Eric singer solta o braço, dois bumbos na velocidade certa, e um solo inicial de tirar o folêgo, em Hard Driver, o Badlands acelera o andamento e Gillen não deixa a adrenalina baixar, com uma atuação fantástica trabalhando sua voz em notas bem altas, e Chaisson não quer saber de brincadeira, trabalhando seu baixo como um instrumento que não se limita a acompanhar a banda, e sim se destacar.

O Blues aparece em Rumblim Train, numa levada arrastada, bem acompanhada dos históricos licks de Jake E Lee, o destaque nessa faixa é Ray Gillen, sua voz trabalha bem nos graves como pede o estilo, e na hora do refrão aparece com um tom médio bem amparado por drives, o que faz a perfomance vocal crescer em feeling, essencial para o Blues, Vale também os solos bem velozes de Lee, quebrando o protocolo do Blues!


Devil's Stomp mostra um inicio acústico, num dueto com a voz afinadíssima, talvez o maior diferencial do Badlands fosse a qualidade de seus músicos em compor e executar, a banda trabalha muito bem no groove que antecede um riff alá Jimmy page, e a cozinha sempre trabalhando no ritmo, sem deixar brechas e fugindo da monotonia. A Dinâmica da canção contagia, numa interessante mistura de guitarras bem distorcidas e violões.

Seasons vem anunciando os momentos finais do álbum, uma balada fantástica, passando longe do romantismo barato das músicas mais lentas, ela soa emocionante na voz perfeita de Ray Gillen, todos os arranjos são cuidadosamente elaborados, promovendo uma densidade sonora impressionante, cada instrumento prepara o terreno para a voz, os riffs mais pesados , a bateria marcada, e o baixo bem fluente, transportam o ouvinte para dentro da canção.

Para fechar Ball & Chain, incialmente bonus japonês, e em 99 foi inserida no track list do relançamento (que ja encontra-se novamente fora de catálogo). Groove comanda o som Funkeado, a guitarra e o baixo duelam na mesma harmonia, os licks de Lee fazem presente, e a bateria bem ritmica e economica de Singer soam perfeitas nessa canção.


Um álbum sem falhas, muito superior a maioria do que foi lançado nos anos 80, nào foi bem divulgado, Lee e Gillen também não queriam muitas fotos promocionais e etc..acabaram colhendo isso... mas musicalmente o Badlands é fantástico. Obrigatório!

Para quem quiser, podem conferir o clip de Dreams in The Dark logo abaixo:

27 de mar de 2008

Reflexões Cotidianas Parte 1 :)

Com a correria dos últimos dias, acabei deixando de fazer um monte de coisas que eu gostaria, tais quais:


1) Escrever Reviews dos álbuns que ando ouvindo mais (já tenho rascunho de uns 3, todos devidamente....inacabados)

2) Ouvir algum dos meus álbuns prediletos

3) Treinar Boxe devidamente;

4) Ficar de bobeira :) ando muito agitado.


Quem mandou viver no centro do captalismo da América do Sul e não ganhar na Loteria?? Ossos do Ofício!

24 de mar de 2008

Polêmicas a Vista!! Ironias também!

Estava vendo nesse feriadão de páscoa as notícias agitadas do mundo da Mídia e Entretenimento em geral, e muitas polêmicas rolando.

A Primeira delas - "Os Downloads Ilegais vão acabar com a Música"

O(s) Autor(es) de tal "Profecia" são dois sujeitos talentosos e respeitados da cena Heavy Metal, Mr King Diamond e o Polêmico Blackie Lawless líder do WASP.

Alegando que as gravadoras dão suporte aos artistas, assim como as oportunidades de gravarem em bons estudios, e terem seu material distribuido nos melhores canais de vendas além de pagarem desenhistas e designers para capas e arte dos encartes e as demais despesas.
Até ai, dou razão aos dois, os Downloads ilegais realmente enfraquecem esse elo da cadeia, e consequentemente os artistas acabam perdendo, menos que as gravadoras, mas perdem.
Entretanto, a maior contradição vem a seguir, ambos alegam que, com a eventual queda nas receitas das gravadoras, estas necessitam colocar em seus contratos uma cláusula que a partr desse cenário, passarão a cobrar um percentual das vendas de merchandising e ingressos dos shows.
Me corrijam se eu estiver errado, as gravadoras BOAZINHAS, vão abocanhar as receitas dos artistas e compensar suas perdas.... será que ambos vão concordar com isso???
Outro detalhes eles defendem as gravadoras, mas se esquecem que, elas CRIARAM o jabá, e as mesmas vítimas dos downloads ilegais, selecionam o que o público vai ouvir, ou seja, nunca ouvimos WASP nas rádios...
Será que elas são tão vítimas assim? Não se pode parar a Evolução, o sistema atual de comercialização de música está fadado a extinção, e Música não vai deixar de existir pelo fato dos tubarões irem nadar em outros mares.
É hora de " se reinventarem" "reverem conceitos" termos adorados pelos executivos das gravadoras. Irônico não??

A Segunda - " O fim do Velvet Revolver"

Vamos aos fatos,

Scott Weilland, Vocalista (ou seria ex- vocalista) do Velvet Revolver dá vexame tour do Reino Unido, anuncia o fim da banda no Palco, sem ninguém do VR entender, e depois volta cantando, a já iniciada It´s So Easy...
Matt Sorum, o baterista da banda, tenta apaziguar os ânimos, em uma nota irônica em seu blog, e logo é retaliado por Weilland em seu respectivo Blog. Os shows no Reino Unido continuam, banda de um lado, vocalista de outro. Ao fim desta, veremos o que acontece... eu aposto no VR com vocalista novo e Weilland voltando ao Stone Temple Pilots.
Eu torço para isso, fim da novela VR, cada um para seu canto, a banda segue, afasta uma nefasta reunião do Guns, contrata um novo vocalista, e pé na estrada!! Weilland volta ao STP, com seu som de vanguarda, e comece um novo álbum e caia na turnê.



Enquanto isso AXL continua queimando o dinheiro da gravadorae torrando o saco de todos com seu Chinese Democracy :)

E todos acabam felizes para sempre :P

13 de mar de 2008

2008 com grandes shows e expectativas

Salve!

Esse ano de 2008 vem com tudo, pelo menos começou bem, Shows de grandes bandas logo no inicio do ano (Maiden, Dream Theater, Helloween e Gammaray, Ozzy Osbourne) e mais a serem confirmados! Que beleza!

Quanto as expectativas, bem o que dizer de novos álbuns do Metallica e Judas Priest? grandes dinossauros da música pesada, estou curioso para ouvir esses novos trabalhos!

Enquanto isso estou ouvindo Systematic Chaos, do Dream Theater, que em breve farei o review!