25 de abr de 2013

Stone Sour - House Of Gold And Bones Pt.2



Nota: 8

O Stone Sour lançou a segunda parte do seu álbum House of Gold and Bones neste ano de 2013, um projeto ambicioso que elevou ainda mais o nome da banda que vem em alta nos últimos anos graças aos ótimos álbuns lançados em sua discografia.

E desta vez não foi diferente, Corey Taylor, James Root & cia nos brindaram com um álbum intenso, dinâmico e livre de grandes rótulos. Tudo que se ouve transita entre Hard Rock e Heavy Metal de forma ampla, o Stone Sour consegue aliar peso, melodia boas letras amarradas a uma boa trama, e para quem pensa que este álbum é apenas a continuação pura e simples da primeira parte, se engana, existe grandes diferenças entre os dois álbuns.

House of Gold and Bones Pt2  é mais atmosférico, voltado para melodias soturnas e andamentos mais carregados e um pouco mais arrastados. Difícil dizer se é melhor ou pior que a primeira parte, vai depender do ouvinte uma vez que no álbum anterior a banda se aventura mais no terreno do Heavy Metal clássico, com muitas guitarras e duetos, desta vez, temos uma sonoridade que remete mais ao som característico do Stone Sour, com mais cadencia e grooves, ao meu ver, ambos se completam e criam a diversidade necessária para entreter o ouvinte.

Com muita personalidade, Corey Taylor consegue liderar a banda com maestria, sua versatilidade é a engrenagem da banda e com certeza é o melhor vocalista da geração atual,  como não pode deixar de ser, ele tem um suporte magnifico, instrumentistas excelentes, criativos e competentes, James Root, Josh RandRoy Mayorga  e o convidado Rachel Bolan formam uma equipe de peso.

A abertura com Red City é arrastada e sombria, mostrando um contraste com a pancada Gone Sovereing da primera parte, uma música tensa, funcionando como uma introdução macabra graças aos vocais angustiados e guturais de Taylor.

A balada Sadist, vem melancólica com ótimos arranjos, preparando o terreno para a pesada e cativante Stalemate, e sua alternância de levadas mais intrincadas no refrão com momentos simples e diretos, um ótimo trabalho de Roy Mayorga na bateria.

The Uncanny Valley possuí um grande trabalho das guitarras da dupla James Root e Josh Rand, mesclando acordes acústicos com riffs e solos elétricos, uma grande influência de Alice In Chains é notada nos vocais dobrados, timbres e na explosão de clímax no refrão, um baita som!

O álbum flui naturalmente, tanto que a audição é excelente, e passa rápido, quando nos damos conta já estamos na última parte do álbum, Blue Smoke é uma intro para a paulada Do me a Favorprimeiro single do álbum, arrebenta tudo! Uma grande linha de baixo, um baita refrão,  uma bateria cavalar e claro guitarras nervosas e vocais insanos de Taylor. Um clássico.


A faixa título, House of Gold & Bones, é a conclusão das duas partes, e fecha muito bem esse ambicioso projeto, com uma linda de bateria marcante, e uma sequencia de solos arrebatadora, ponto para a dupla Root/Rand. 

Um grande clássico que coloca o Stone Sour como uma das grandes bandas da atualidade.


Clipe de Do Me A Favor





House of God & Bones Part 2 (2013)
1.
   Red City
2.   Black John 
3.   Sadist
4.   Peckinpah
5.   Stalemate
6.   Gravesend
7.   '82
8.    The Uncanny Valley
9.    Blue Smoke
10.  Do Me A Favor
11.  The Conflagration
12.  The House Of Gold & Bones

Stone Sour: 

Corey Taylor  vocals e piano

James Root  guitarra ritmica e solo
Josh Rand − guitarra  ritmica  e solo
Roy Mayorga  Bateria 
Rachel Bolan - Baixo




Postar um comentário