27 de abr de 2012

Guns N' Roses (sim) no Rock N Roll Hall Of Fame!

Depois dessa apresentação, fico extremamente lisonjeado Julião! Primeiramente agradeço a oportunidade de poder postar aqui, um blog que acompanho há... uns ... 3 anos no mínimo (não sei precisar), mas que, mesmo com assuntos "pessoais", tem um conteúdo interessante e independente. E justamente por fugir de algumas tendências, o conteúdo do mesmo torna-se interessante. 

A "Indução"feita  aqui no "It's Eletric"... me fez vir a mente, primeiramente (a rima não foi proposital), a introdução do Guns N' Roses no Rock N' Roll Hall Of Fame e TODA sua polêmica.
                 
Mesmo que não foi o show que TODO MUNDO esperava. Ver aquele lineup representando o Guns N' Roses para seus FÃS é algo a salutar. Ainda que depois daquela "broxada" que o Sr. Leôncio Rose nos causou com aquela carta aberta. Respeito o ponto de vista dele, mas ele apenas provou  o que sempre FOI/FEZ, não cresceu o suficiente ainda. Mas, deixemos a parte NEGATIVA de lado, falemos da POSITIVA!
                 
Slash e Duff juntos não é algo que não estejamos acostumados, mas vê-los "representando" o Guns N' Roses, nos faz pensar o quanto a banda foi boa em seu ápice. Aquele feeling que mesmo colocando 6/7 músicos, não consegue ser substituido! Matt Sorum , ainda que mais técnico (e ter minha preferência), não foi tão ativo na banda, apenas o substituiu. Além do Gilby "Tapa buraco de todas horas" Clarke...
                 
A apresentação em si, não foi nada além do esperado, pra quem acompanha os trabalhos solos do Slash (Slash/Snakepit), ou do próprio Velvet Revolver, foi tudo aquilo que estamos acostumados a ver, aquela química inconfúndível que não se apagou com o passar dos anos.  Ainda mais com trio do Velvet Revolver (Sorum, Slash, Duff). Mas, duas coisas devem ser MUITO BEM comentadas:
                 
Myles Kennedy, pra quem conhece ele no trampo solo do Slash, nenhuma novidade, mas não é QUALQUER UM que tem a moral de ser frontman de uma apresentação daquele calibre, com aquela importância. O próprio Slash comentou que o Myles tava ressabiado em subir ao palco.
                 
Steven Adler, esse sim, pareceu representar um fã da banda, das antigas,ainda que o mesmo tenha feito parte do lineup original. Seu modo de tocar continua único pra proposta da banda... mesmo com um substituto mais técnico. Além as olhadas para o Duff... Aliás, acho que não preciso falar muito sobre o quão o Adler estava feliz por estar ali. Uma imagem vale mais que mil palavras:

Esse sorriso representa bem o que foi essa apresentação para os fãs da banda

                
Enfim, ao que parece, a história de reunião já foi dada por encerrado, e esse evento não poderia ter passado batido. É legal ver o reconhecimento em relação a banda, seja de quem for, seja os 21k que pagaram pra ir(1), seja com Axl desprestigiando o evento.
                 
A banda já tem seu nome na história, pelo seu material, sua música. Argumento citado por Duff no discurso antes do show. O que importa é fazer MÚSICA.

(1) Dizzy Reed, tecladista atual da banda, remanescente da formação dos Illusions, usou a desculpa dos 21 mil, para não comparecer ao show.

P.S.:  Julião, se a gente começou a se falar por causa de uma demo do Guns N' Roses (ou banda do Axl), nada melhor que começar aqui falando sobre a mesma.
Postar um comentário