5 de mai de 2014

Savage Messiah - The Fateful Dark








Nota: 8,00

Ouvir bandas novas virou uma missão para mim, sou um defensor da renovação uma vez que nossos ídolos não vão estar na ativa para sempre. Sendo assim acho importante abrir a mente para o novo, e   acredito que existem muitas bandas boas esperando uma chance para carregar o bastão e dar continuidade a mais de quarenta anos de música pesada,

O Savage Messiah que estreou em 2010 é uma boa aposta, os ingleses  conseguem executar bem a mistura de Thrash Metal e Power Metal, não se trata de uma banda de vanguarda, a sonoridade é bem definida, para o bem e para o mal, o material é bem gravado, os instrumentos bem timbrados e os músicos executam tudo de maneira precisa.

A qualidade técnica é complementada por composições fortes e cativantes, em um primeiro momento Fateful Dark passa batido, aparenta ser mais um disco de Metal, porém ao decorrer de várias audições podemos notar peculiaridades que saltam aos ouvidos.

Quando os primeiros acordes das guitarras de Iconocaust começa a sair dos alto falantes temos a impressão de que vem algo forte e explosivo, e tudo se confirma caindo em um Thrash Metal que remete ao Metallica e ao Testament dos 80's, porém ouvidos mais atentos notam que existe algo a mais, uma sútil e bem colocada influência de Power Metal, Gamma Ray me veio a cabeça logo que ouvi, deixando a sonoridade interessante.

Se por um lado o Thrash metal da abertura fala alto, a Power Metal Cross Of Babylon adiciona velocidade e guitarras em profusão, disparando melodias certeiras, uma aula de bateria, mesmo com duas faixas inicias explodindo o melhor ainda vem depois

Os bumbos de Andrea Gorio são ferozes em Hellblazer e  se destacam com uma influência forte de Scott Travis do Judas Priest. A boa balada Live As One Already Dead, abre espaço para os melhores momentos do disco.

The Fateful Dark é a melhor faixa do registro, cadenciada, dotada de riffs matadores e grooves poderosos do baixo de Mira Slama, vocais certeiros e uma dinâmica instrumental muito interessante, o refrão é sensacional e mostra o potencial dos caras em escrever boas músicas, destaque absoluto.

Mais uma pedrada, Zero Hour é outro momento de inspiração devido aos grandes arranjos das guitarras da dupla Dave Silver  e Joff Bailey os vocais no refrão lembram James Hetfield em inicio de carreira, mais um momento inspirado.

Após o melhor momento do disco, a thrasheira  Hammered Down vem acelerada, lembrando Flotsam & Jetsam, mantendo a pegada thrash Scarvenger Of Mercy e a tradicional The Cursed Earth terminam bem o álbum.

O Savage Messiah é uma banda com sonoridade bem conservadora, sem muito espaço para inovações, porém as composições são cativantes e a execução é de primeira, músicos bons fazendo boa música.

Vale pena conferir!

The Fateful Dark





Hellblazer




The Fateful Dark (2014) 


  1. Iconocaust
  2. Minoriity Of One
  3. Cross Of Babylon
  4. Hellblazer
  5. Live As One Already Dead
  6. The Fateful Dark
  7. Zero Hour
  8. Hammered Down
  9. Scarvenger Of Mercy
  10. The Cursed Earth
  11. Be Quick Or Be Dead (Iron Maiden cover)
  12. Lighting To The Nations ( Diamond Head Cover)
  13. Killers (Bonus Track)



A Banda

Dave Silver  (Vocais, Guitarras)
Joff Bailey  (Guitarras e Backing Vocals)
Mira Slama  (Baixo)
Andrea Gorio  (Bateria)


Postar um comentário