18 de out de 2014

Accept - Blind Rage






Nota: 8,5


A vitalidade que o Accept demonstra desde seu retorno em 2010 é admirável, um dos maiores nomes do Heavy Metal mundial não sente o peso do tempo, pelo contrário, o hiato de 1996 a 2010 em discos de estúdio renovou as energias e trouxe uma banda preparada para entregar aos fãs grandes trabalhos.

Blind Rage é o terceiro disco com Mark Tornillo nos vocais, um dos responsáveis pela banda soar tão vigorosa atualmente além da sessão instrumental do Accept que sempre foi aclamada  graças ao talento de Wolf Hoffman que tem nas melodias das guitarras seu grande diferencial, são riffs e solos de muito bom gosto.

Entretanto a maior força do Accept está no conjunto e suas composições, não espere aqui um disco de vanguarda, mas sim um som tradicional calcado nos anos 80 muito bem atualizado nos timbres pesados na mixagem poderosa de Andy Sneap, que faz os alemães soarem atualizados, diferentemente do Judas Priest que  mostrou uma grande fragilidade em Redeemer Of Souls, os veteranos da terra de Mario Gotzë  estão como sua seleção de futebol, fortes e imponentes.

Stampede é uma pedrada up tempo com grande destaque para as guitarras de Hoffman e Herman Frank, Last Of Dying Breed convoca Balls To The Wall destilando coros grudentos. Um ótimo começo.

 A solidez da bateria de  Schwarzmann e o Baixo estrondoso de Peter Batles fazem a alegria dos fãs na recheada de groove Fall Of The Empire, um dos melhores momentos do disco.

A proposta de Blind Rage é diferente de Stalingrad, que era mais épico, pesado e veloz, o novo disco é mais cadenciado e melodioso, essa alternância é muito bem vinda! Eles voltam a pisar  no acelerador na demolidora Trail Of Tears, com um pé no Power Metal, estilo que a banda ajudou a desenvolver no clássico Fast As A Shark em Restless And Wild (1982), ressalto a perfomance arrasadora de Tornillo nesta faixa.

É dificil desassociar o Accept das guitarras matadoras, Wolf Hoffman tem um arsenal de melodias geniais e seu talentoso  parceiro Herman Frank complementa com maestria o setor das seis cordas, 200 Years é o símbolo disso, riffs matadores, dueto de guitarras e um solo evocando a música clássica.

O disco passa rápido, é divertido e contagiante, em sua parte final o ritmo não cai, e a qualidade é mantida sem grande esforço, From The Ashes We Rise flerta com o hard rock e acerta com melodias muito bonitas, The Curse vem com acordes dissonantes e um grande som de baixo na introdução, épica, um grande momento que evoca o mega clássico  Head Over Heels, mais uma vez o bom gosto impera com uma forte e emocionante entonação da voz  de Mark Tornillo, foi bom Udo ter ficado de fora.

Sim, os caras são veteranos e não precisam provar mais nada, mas ao contrário de muitos grandes nomes do estilo, o Accept mostrou relevância, não deixou a preguiça e o comodismo tomar conta e de forma inspirada entregou uma grande obra. 

Um disco genuinamente Heavy Metal, compre sem pensar, de preferência a versão dupla com DVD com um show inteiro gravado no Chile na tour de Stalingrad.






Stampede






Blind Rage (2014)


  1. Stampede
  2. Last Of Dying Breed
  3. Dark Side Of My Heart
  4. Fall Of The Empire
  5. Trail Of Tears
  6. Wanna Be Free
  7. 200 Years
  8. Bloodbath Mastermind
  9. From The Ashes We Rise
  10. The Curse
  11. Final Journey


A Banda

Mark Tornillo (Vocais)
Wolf Hoffmann (Guitarra)
Herman Frank (Guitarra)
Peter Baltes (Baixo)
Stefan Schwarzmann (Bateria)



Postar um comentário