19 de fev de 2014

Test Time Review # 7 - Yield (1998)




Após minha pisada na bola por não ouvir Lightning Bolt em tempo de colocá-lo no meu top 10 de 2013, resolvi homenagear o Pearl Jam com dois reviews, o primeiro deles, do referido álbum lançado ano passado, e agora um Test Time Review de Yield (1998), um álbum curioso que marca o fim da fase mais conturbada da carreira do quinteto de Seattle.

Yield é o primeiro lançamento do Pearl Jam que eu de fato acompanhei como fã de verdade, uma vez que já conhecia a banda, possuía Ten e VS na coleção mas estava bem alheio do que ocorria com eles naquele momento.

A Banda


Eddie Vedder (Vocais, Guitarra)
Mike McCready (Guitarras)
Stone Gossard (Guitarras)
Jeff Ament (Baixo)e
Jack Irons (Bateria)

O Contexto

Em 1998 toda a cena de Seattle, o chamdo Grunge, já era considerado uma onda do passado , o Pearl Jam viveu a explosão de popularidade entre 1991 e 1994, e tamanha exposição quase destruiu a banda, de fato nem eles aguentavam mais o sucesso quase sem limites que era uma combinação óbvia de talento e apelo midiático.

Pensando nisso, Eddie Vedder que acabará de tomar as rédeas criativa da banda ao lado de Stone Gossard e Jeff Ament, já vinha sugerindo mudanças importantes para o futuro, Vitology (1994) mostrou um som mais cru e punk rock, o sucesso de vendas foi imediato devido ao grande apelo de anos anteriores, mas  todos notaram uma atitude diferente, No Code (1996) quebrou paradigmas sonoros e mostrou influências de Folk Rock e World Music, acalmando as coisas e tirando a banda do foco. 

 Vitology e No Code não possuíam video clipes e a briga com a ticketmaster jogou a banda em turnês mais remotas e esparsas. Após as críticas devido a suavidade de No Code, e boatos de uma possível dissolução, o Pearl Jam entrou em estúdio prometendo um disco mais ligado as suas raízes, então foi lançado Yield.


As Impressões do passado

Yield  foi cercado de expectativas, após tantas polêmicas e a guerra contra sua própria popularidade o Pearl Jam parecia preparado a retornar aos poucos aos holofotes, mais maduros e preparados para encarar o que viria pela frente.

Mesmo com os conflitos criativos entre Vedder e Gossard resolvidos, Yield ainda mostrava resquícios de uma banda que ia abandonando a fúria e inocência dos primeiros anos para buscar uma sonoridade mais ampla e diversificada.

Contando com certa dose de indecisão, Yield conseguiu quebrar o estilo essencialmente moroso de No Code e resgatar um pouco da energia perdida, Stone Gossard e Mike McCready ressurgiram mais fortes com suas guitarras afiadas, Eddie Vedder conseguia escapar de seus clones surgidos aos montes e mostrar todo seu talento como compositor e cantor, Jeff Ament e Jack Irons colocaram mais peso e energia quando requisitado.

Mesmo com um retorno a sua essência os experimentos não foram abandonados, alguns sintetizadores foram colocados em algumas músicas, baladas mais melancólicas e adultas foram adicionadas misturadas a atitude e pegada rockeira que consagrou os caras.

O Pearl Jam estava de bem com todos, lançou o clipe Do The Evolution, maior clássico do disco, uma animação fantástica dirigida pro Todd McFarlene, outros sucessos como Brain Of J. Given To Fly, e Faithful garantiram muitos aplausos dos fãs, por sua vez faixas como Red Dot (untitled) e Push Me, Pull Me geraram estranheza devido ao uso de sintetizadores e samplers (tendência forte na cena rockeira no fim dos anos 90 e inicio dos 2000).

Yield fez sucesso, trouxe muitos fãs de volta, agregou novos mas deixou muita gente com dúvidas do que viria pela frente, uma vez que a banda parecia abrir uma nova era com menos percalços e sucesso mais contido.


Como o álbum envelheceu?

Ouvindo Yield 16 anos após seu lançamento e sabendo o que veio depois ficou claro que este álbum consolidou a transformação do Pearl Jam de fenômeno do Grunge de Seattle para uma das maiores bandas de Rock clássico do mundo. 

Visto isso, Yield conseguiu emplacar dois dos maiores Hits de sua longa e produtiva carreira, a Zeppeliana Given To Fly e a punk rock explosiva Do The  Evolution, entretanto o maior legado deixado foi a maturidade atingida, passando por cima da desconfiança e do fantasma de uma estréia absolutamente fantástica de Ten sete anos antes.

O legado musical venceu padrões que a indústria da música impunha e abriu uma nova estrada que possibilitou um crescimento criativo interessante, o contraste do Punk Rock de Brain Of J com a suavidade de Whishlist, passando pela grunge e explosiva Faithful fomentou o estilo Pearl Jam de se fazer Rock. Muito do que se escuta hoje no som deles foi plantado nesse álbum.

Não é o melhor disco nem o mais importante da carreira deles, mas é o registro que mostrou uma nova fronteira e renovou as esperanças dos fãs que mesmo não tendo "aquela banda que fez o Ten" de volta podia contar com um grande nome para carregar a bandeira do Rock. 

Os herdeiros de Neil Young, Bruce Springsteen e Ramones estavam mais vivos do que nunca. Yield envelheceu muito bem, aliás ouvindo ele novamente, soa atual, forte as vezes irregular mas com qualidades e defeitos como qualquer coisa que existe em nosso universo.


Track List

  1. Brain Of J.
  2. Faithful
  3. No Way
  4. Given To Fly
  5. Wishlist
  6. Pilate
  7. Do The Evolution
  8. Red Dot (Untitled)
  9. MFC
  10. Low Light
  11. In Hiding
  12. Push Me, Pull Me
  13. All Those Yesterdays

Do The Evoluiton


Given To Fly





Postar um comentário