25 de fev de 2009

Tempos de Mudança parte II

Ontem postei um pequeno briefing das mudanças no mercado fonográfico ao longo da era digital dos downloads e compartilhamento de arquivos na Internet, e aproveitando os pontos levantados farei uma reflexão do atual momento, e do que é bom ou ruim dentro desse cenário que já pode ser considerado como um novo paradigma.


Algumas questões importantes

  • O quanto isso é bom?
    As mudanças são importantes para o desenvolvimento social e economico de uma soceidade, mesmo com impactos nocivos a alguns setores. As Grandes Gravadoras ditaram por mais de 30 anos o ritmo do mercado, e manipularam o que era ou não tendência de mercado. Felizmente isso está acabando, quem ganha é a música.

  • Será que sempre pagamos um preço justo pelo CD/DVD?
    Não, isso é fato, o custo de fabricação de um CD/DVD mais seu custo de produção (estúdios, produtores, promoção e arte e outros) não justificam o preço ao consumidor final, e isso fica mais evidente quando o mercado americano compra carros a 15.000 dólares e cds a 15,00 dólares, é proporcionalmente MUITO mais caro, por um produto bem simples.

  • Se as majors fecharem, quantas pessoas perderão seus empregos?
    Muitas, e isso não é bom, enfraquece a cultura e teremos mais subempregos, ainda mais em tempos de crise, como vivemos e vamos viver nos próximos 2 anos.

  • O Jabá, modismos e cultura descartável, o famoso Pay to Play, contrinbuiram com a queda do mercado?
    Sim, definitivamente, a cultura do Jabá, acabou com os novos talentos, só exisxtiu divulgação de artistas de nichos, merchandising e novos modismos, as grandes gravadoras queriam dinheiro rápido, só nos anos 90 tivemos mais de 3 ciclos de moda em menos de 10 anos, foi tão rídiculo que muitos bons artistas tiveram que se adaptar a essa cultura de capitalismo selvagem. Com a troca de arquivos isso acabou, o consumidor vai procurar o que quer, aonde quer, a informação está bem diante de seus olhos.

  • Doar os "Donativos"aos sites de distribuição é realmente lutar contra o sistema? ou vamos alimentar a mesma coisa, só trocando o nome das pessoas?
    Partircularfmente sou contra donativos para os sites, isso é um absurdo, o dinheiro tem que ser dado ao ARTISTA e produtor, esses novos paladinos que lutam contra as majors adoram pedir dinheiro ao público para "manter suas atividades" isso só transfere o problema. Estamos trocando os nomes das pessoas, quem merece dinheiro, fama, sucesso é quem faz a música, produz o disco, faz shows, capas, não as gravadoras ou mantendedores de sites de trocas.

  • As Majors foram fundamentais para grande parte do surgimento/popularização de grandes ícones da música, se acabarem como ficaram os novos artistas?
    As Majors foram como consultores das bandas, indicando como os artistas deveriam tocar seus negócios e onde deveriam se apresentar e divulgar seu trabalho. Se todas as grandes gravadoras sumirem, é fundamental que o artista seja empreendedor, inventivo e tenha boa noção de tocar seus negócios. Boa oportunidade para gravadoras independentes, que podem ser grandes agencias de bandas.

  • Indepêndencia, liberdade artistica e contato direto com os fãs certamente acabarão com grandes esquemas publicitários, a música vai ser feita de artista para fã.
    Talvez o melhor ponto de toda essa mudança, eu não aguento mais ver e ouvir o direcionamento que as gravadoras e alguns veículos de mídia empurram ao público, você tem que saber o que compra, e pagar um preço justo, sem intermediários sem custos de grandes golpes publicitários.

  • Para que pagar se posso ter de graça? As bandas também precisam vender discos para pagar os estúdios e etc... Quem vai pagar por isso?
    Dois aspectos importantes: É muito bom conhecer um produto antes de comprar, força a ciratividade, os artistas terão que buscar novos caminhos e trabalhar suas composições, convencer o cliente a comprar. Porém, outro aspecto importante, os fãs DEVEM pagar pela música, um preço justo, mas que faça o artista ter condições de gravar algo com qualiade e viver de seu oficio, afinal U$ 5,00 não mata ninguém. Portanto comprem por um preço justo.

  • Quem ganha e quem perde com tudo isso?
    As gravadoras perderam, os artistas e os fãs podem ganhar e muito em conteúdo e em dinheiro, basta ter um "acordo"entre fãs e artistas. As gravadoras independentes podem aproveitar e sair como grande vencedoras se souberem explorar bem o mercado, sem cometer os erros de seus gigantes concorrentes do passado.
Postar um comentário