24 de fev de 2009

Tempos de Mudança parte I

O que acontece quando o consumidor pode mudar o curso das corporações, o quanto uma pessoa insatisfeita com o atual paradigma pode fazer para mudar as regras do jogo?


O surgimento da Internet e o advento da banda larga afetou todo o curso da história da humanidade, vivenciamos isso todos os dias, noticias do mundo inteiro se alastram pelos Feeds, Portais e Blogs numa velocidade nunca antes imaginada pelo homem em meados do século passado.

Pois bem, o avanço da tecnologia alterou nossa forma de pensar e agir, de enxergar o mundo, e isso alterou basicamente todo o paradigma do papel e da influência do cidadão na sociedade global. Partircularmente um debate vem tomando as atenções de diversos setores da sociedade, o direito autoral no mercado de produção cultural, ou seja, mercado fonográfico e cinematográfico.

O avanço da tecnologia permitiu que os consumidores pudessem reproduzir, copiar os produtos com facilidade e baixo custo, converter para formatos enxutos e trocar esses arquivos com quaisquer pessoa ao redor do globo, algo impensável a duas décadas atrás.

Especificamente no mercado fonográfico as trocas sempre foram comuns, copiava-se os discos de vinyl em fitas K7 e trocavam entre fãs de artista um genêro musical, entretanto era algo localizado, num mesmo bairro ou vizinhança, jamais em aspectos globais.

O surgimento das mídias compactas (CDS, DVDS) e seus respectivos reprodutores de baixo custo, permitiram que o consumidor tivesse mais controle sobre o produto, podendo copiar, converter e distribuir isso ao redor do mundo, através da Internet.

O grande vilão das Majors? O MP3, formato de menor qualidade, porém pequeno, fácil de ser trocado em sites e programas de Peer 2 Peer (programas de troca de arquivos). Basicamente copiava-se o conteúdo do CD convertia em Mp3 com 1/3 do espaço em Megabytes, e poderia escutar em seu computador sem o uso da mídia fisica.

Então surgiu, o Ipod e mais uma leva de MP3 players, conexões de banda larga, e a troca de arquivos devorou o lucrativo império da industria fonográfica...Lojas virtuais de downloads legalizados como a iTunes, se aproveitou disso e fatura milhões de dólares vendendo MP3 e outros arquivos.

Algumas questões importantes

  • O quanto isso é bom?

  • Será que sempre pagamos um preço justo pelo CD/DVD?

  • Se as majors fecharem, quantas pessoas perderão seus empregos?

  • O Jabá, modismos e cultura descartável, o famoso Pay to Play, contrinbuiram com a queda do mercado?

  • Doar os "Donativos"aos sites de distribuição é realmente lutar contra o sistema? ou vamos alimentar a mesma coisa, só trocando o nome das pessoas?

  • As Majors foram fundamentais para grande parte do surgimento/popularização de grandes ícones da música, se acabarem como ficaram os novos artistas?

  • Indepêndencia, liberdade artistica e contato direto com os fãs certamente acabarão com grandes esquemas publicitários, a música vai ser feita de artista para fã.

  • Para que pagar se posso ter de graça? As bandas também precisam vender discos para pagar os estúdios e etc... Quem vai pagar por isso?

  • Quem ganha e quem perde com tudo isso?
Amanha tentarei expor minha visão sobre tudo isso,

Um bom artigo sobre o Pirate Bay: http://www.nme.com/blog/index.php?blog=123&p=5772&more=1&c=1&tb=1&pb=1#more5772


O Whiplash disponibilizou esse interessante artigo em português http://whiplash.net/materias/news_878/084749.html
Postar um comentário