24 de mai de 2010

O fim de Lost


Atenção, esse post contém spoilers, caso não tenha assistido o último episódio não siga adiante!


Quem acompanhou LOST desde 2004 ao longo de suas 6 temporadas provavelmente não imaginava o quanto essa série ia mexer com a cultura pop do inicio dos anos 2000, Lost virou mania, e é o primeiro seriado da era 2.0, na qual blogs, sites, podcasts explodiram divulgando a série de maior sucesso dos últimos 15 anos.

Basicamente Lost fala sobre passageiros do vôo 815 da Oceanic, que caiu em uma ilha de dificil acesso, e sem contato com o resto do mundo, todo o enredo gira em torno de seus personagens sobrevivendo e descobrindo o que aquela ilha era de fato.

O intuito desse post não é resumir Lost e sim falar de seu último e polêmico episódio. Em sua sexta temporada, Lost desiste de explicar cada detalhe do passado, e se prende ao tema principal, muitas pontas ficaram soltas, muitos roteiros foram sim alterados em consequência do show bussiness, isso é fato!

Qual seria o tema principal? A Ilha? Não! A iniciativa Dharma? Não! Widmore x Benjamin? Não! Jacob e seu irmão? Também não! Lost fala de crença, do homem de fé x homem da razão, de seres humanos, de defeitos e qualidades, de paixão e ódio, de lealdade e traição, Lost fala do ser humano...

Então para que serviu 6 anos com temporadas e esperas? Muito foi esclarecido, muito ficou no ar. Ao meu ver toda alegoria sobre Ilha, Ciência, Viagem no tempo, é o pano de fundo da disputa do ego de dois semi deuses, onde Jacob falhou, e escolheu desafortunados, com vidas arruinadas para ajudar a corregir seu erro.

Que fique bem claro tudo que aconteceu na ilha de fato..... aconteceu, as mortes, descobertas, idas e vindas, a batalha final, os sobreviventes que fugiram no avião, os novos guardiões, tudo isso ocorreu, e o encontro de todos mortos, após a morte de Jack nada mais é que a demonstração que o afterlife é atemporal. Todo mundo vai morrer... em algum dia!

Pode parecer presunção, mas o fim ambiguo de Lost não me surpreendeu, desde o episódio 15 da última temporada, eu comecei a enxergar como seria o final.

As conclusões: A fé suplanta a razão, Jack é o ponto principal de Lost, é o que define a série, nele a mudança de fé x razão ocorre a todo o tempo.

A Ilha nada mais é que um ponto de partida para pessoas se encontrarem e se definirem. O projeto Dharma é uma tentativa do homem em controlar o imponderável, foi sumariamente destruído, os Outros sumiram, pois eram seguidores de uma batalha perdida, a fonte de energia da Ilha simboliza basicamente a fonte de vida no planeta. Todos os passageiros do acidente foram importantes cada um de sua forma.

O que era a Ilha? De onde vieram a estátua gigante? Porque os números de Jacob eram digitados por Desmond para salvar o mundo? Nada disso foi respondido, porém para os autores isso não importa porque Lost define seres humanos, nem eles, nem ninguém podiam explicar o porquê desses mistérios e de muitos outros, por isso que chamei de alegorias.

Segue um breve resumo do final de cada personagem no último episódio:

1) Desmond, o mensageiro da ilha capaz de viajar entre mundos e dimensões fica na ilha, junto com Hurley, o novo Guardião e Benjamin seu assitente. Até a morte em algum futuro distante

2) Sawyer, Kate, Claire, Lapidius, Richard (que se torna mortal após o fim do falso Locke) e Miles, conseguem fugir da Ilha, e segeum suas vidas normais. Até morrerem em alguma etapa de suas vidas.

3) Jack, morre após a batalha contra o falso Locke, passa a função de guardião à Hurley, e assiste o outro grupo sair de avião da ilha. Vincent fica no lado de Jack, até posteriormente se juntar aos guardiões.


No final todos se encontram, mortos, na realidade paralela que se inicia na sexta temporada, Michael não consegue se salvar e fica preso como os sussuros da ilha até achar sua redenção. Ou seja a realidade paralela é o afterlife, que cedo ou tarde todos vão alcançar...


Eu não achei o final genial, tem muitos pontos que ficaram buracos, porém, posso dizer que gostei!
Postar um comentário