26 de dez de 2007

Tudo se transforma... A Evolução é Constante

Aproveitando as férias coletivas da empresa, estou aqui colocando um pouco de atividade no Its Eletric!

Antes de Tudo Feliz Natal!

Uma reflexão importante (para mim):


Estava aqui pensando sobre 2007, fazendo um balanço geral da vida, negócios, família, Jiu Jitsu , Cultura e tudo o que cerca o ano que está acabando de uma forma geral, e como parece óbvio: Sempre tiramos algo de bom ao fim de cada ano que se passa.
A única certeza em cada fim de ano, e inicio de outro é que a Evolução é constante, a cada dia que acordamos somos pessoas diferentes, com mais experiências, agregando alguns valores, e se desfazendo de outros. faz parte da curta e produtiva existência humana.
Talvez por isso a humanidade resolveu contar o tempo, uma forma de nortear as esxperiencias vividas ao longo de um período.

ou seja Tudo se Transforma e a Evolução é Constante.

O que me motivou a esvcrever sobre isso?

A Lista que fiz de 2007, logo ai embaixo, Peguei uma parte dos álbuns abaixo e revisitei os mesmos, e Systematic Chaos do Dream Theater me trouxe ao paralelo de evolução e transformação.
Basta ouvir a banda, em 1989, em When Day And Dream United e comparar com Systematic Chaos de 2007, e ir acompanhando os periodos nesse meio tempo, e reparem como a banda, com basicamente a mesma formação, com exceção de Kevin Moore (membro fundador e um dos cabeças da banda em seu inicio) e veja como a mesma mudou!!

Dividindo a história da banda em 5 grandes periodos

Do Majesty ao Dream Theater (1985- a 1989)

Passaram de uma banda de garagem para um grupo promissor do Novo Progressivo surgido no inicio dos anos 80, com Marillion, Queensryche, Fates Warnning, Lançando o emblemático When Day And Dream United, dando o pontapé inicial na fusão Progressivo e Heavy Metal como conhecemos hoje.

O Sucesso (1992 a 1995)


James Labrie entra no lugar de Charles Dominic, assumindo os vocais até hoje.
Técnica, Complexidade, Melodias Cativantes, Estilo. o Dream Theater entrava para o roll das revelações, estourando com o Sucesso Pull Me Under, do mega clássico Images And Words (review em breve). O Mundo conhece os Norte Americanos, e o sucesso bate a porta da banda.
Awake, mais pesado, e obscuro dá continuidade 2 anos depois, a escalada rumo ao topo da cena. Tudo erradiado pela magia e melodia de um tempo que não retornará, Kevin Moore, deixa a banda.

A Primeira Crise (1996 a 1998)

Kevin Moore era uma das peças chaves na composição ao lado de John Petrucci e Mike Portnoy; ao sair a banda sente o baque, lança o EP A Change of Seasons, introduzindo Derek Sherenian nos teclados no lugar de Moore, sucesso na certa, A Change of Seasons composta nos idos de 1992 é aclamada como o maior épico da banda, com mais de 25 minutos emocionantes!
1997 vem o primeiro album da nova formação, o excelente e injustiçado Falling Into Infinity. Mais pop, e acessível, porém com a classe e técnica de sempre, criticas, acusaçãoes e Sherenian é demitido após o fim da tour.

Volta ao topo ( 2000 a 2002)

Jordan Rudess Assume os teclados, é lançado em 2000, Scenes from a Memory: Metropolis Pt2, album conceitual, continuação da clássica Metropolis, do album Images and Words, o sucesso é tamanho, que a banda é mas uma vez apontada como uma das melhores do mundo, vendas, dvd ao vivo e outros, definitavamente voltavam ao topo.
Assim como em 2002 com Six degrees of Inner Turbulence, álbum duplo, consolidando a boa fase.
A Sonoridade já mostrava amadurecimento, arranjos mais refinados, clássicos e progressivos, o peso continua em voga, mas numa estética menos Hard Rock do inicio, com melodias mais complexas. Uma banda caminhando para a Maturidade.

A Consolidação (2003 até 2007)

Train of Tought, vem pesado, obscuro, com letras fortes, mostra um retrato do mundo após 11 de Setembro de 2001, o álbum mais pesado e direto da banda.
Já Octavarium, de 2005, é o auge da consolidação toda a carreira mesclada, com uma identidade adulta, seguindoa tendencia iniciada em Six Degrees, mas resgatando algo do inicio, ou seja o equilibrio entre as fases, tendo um pouco de cada fase misturado num novo conceito.
Systematic Chaos, consolida as mudanças, e mostra a banda olhando para seus clássicos do inicio dos 90´s, mas com um olhar adulto e crítico, fundindo Rush, Metallica e Muse entre as influências. O que resta saber é o que virá pela frente?
Porque desde 2000 o Dream Theater é apontado como uma banda grande, e a maior banda progressiva dos ultimos 10 anos.
Postar um comentário